Sicredi

Padre Agostinho Gatelli completou 25 anos de sacerdócio

Postada em: 12/04/2019 Atualizada em: 12/04/2019 09:04:30 Número de visualizações 988 visualizações
LinkedIn whatsapp
Padre Agostinho Gatelli completou 25 anos de sacerdócio

No dia 9 de abril de 1994 Agostinho Gatelli fui ordenado padre, por Dom Olivio Auréilo Fazza, na Paróquia Santo Antonio em Santa Helena. Ao final da Missa que celebrou no sábado, dia 6, padre Agostinho foi homenageado pela Paróquia Nossa Senhora da Conceição.


No sábado, dia 6, ao final da Missa que padre Agostinho Gatelli celebrou Missa em Ação de Graças pelos 25 anos de sacerdócio, na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, em Missal, membros da comunidade, de forma voluntária, em nome de toda Paróquia, prestaram homenagem ao padre.

Fez parte da homenagem a leitura de uma mensagem, a entrega de uma placa com trecho do lema que padre Agostinho usou em sua ordenação, bolo dos 25 anos e o parabéns a você.

Emocionado, padre Agostinho agradeceu a homenagem, uma surpresa para ele, pois não sabia da mesma. Pai, mãe e familiares estavam presentes à Missa.


Agostinho Gatelli

Nasceu no dia 12 de março de 1963 no distrito de Riozinho, Município de Rolante-RS. Foi batizado dia 19 de março de 1963, na Capela da Linha Cinco na Paróquia do Riozinho. 

Fez a 1ª Comunhão dia 27 de julho de 1975 na Igreja Matriz Santo Antonio - Santa Helena-PR, e crismado dia 19 de novembro de 1978 também na Igreja Matriz Santo Antonio.

Como seminarista morava no Seminário Maria Mãe da Igreja  e fazia filosofia na Facitol (Faculdade de Ciências Humanas Arnaldo Busato) de Toledo- PR. Neste período fez trabalho pastoral em várias paróquias na catequese e na formação de lideranças.

A teologia fez no Studium Theologicum de Curitiba, morava no Seminário da Arquidiocese da Província Eclesiástica de Cascavel, em Curitiba, e o último ano de teologia no Seminário de Teologia da Arquidiocese de Curitiba, em Curitiba. Neste período fazia pastoral na área de catequese na formação para catequistas e lideranças nas paróquias do interior daAarquidiocese de Curitiba.

No dia 20 de outubro de 1993 fui ordenado diácono por dom Olivio Auréilo Fazza, na Igreja Matriz Nossa Senhora Medianeira, em Medianeira. Diocese de Foz do Iguaçu.

Dia 20 de outubro de 1993 a 31 de dezembro de 1998 fui nomeado Reitor do Seminário Diocesano Nossa Senhora Medianeira, em Medianeira. Reformou e pintou todo o Seminário, colocou o meio fio e o calçamento de acesso ao mesmo. Tinha uma horta com produção em larga escala para o consumo do seminário e o restante dos produtos era vendido nos mercados da cidade e também na Ceasa de Foz do Iguaçu. Neste período coordenou a Pastoral Vocacional da Diocese de Foz e assessorou a Pastoral Catequética da Diocese até 31 de dezembro de 2000. 

No dia 9 de abril de 1994 foi ordenado padre por Dom Olivio Auréilo Fazza, na Paróquia Santo Antonio em Santa Helena. 

De abril de 1994 a 31 de outubro de 2013, fez parte do Conselho de Presbíteros da Diocese de Foz do Iguaçu.

Nestes 25 anos fez parte de vários conselhos da Diocese de Foz do Iguaçu, atuou nas mais diferentes áreas de formação, entre muitas outras ações.


25 anos

Conversamos com o padre Agostinho sobre seus 25 anos de sacerdócio:

“Acredito que realizei um bom trabalho nos ambientes por onde passei, claro que cada ambiente com desafios diferentes.

Lá em 1994, quando da minha ordenação, trabalhei por seis anos no seminário, numa realidade bem diferente da de hoje.

Depois como vigário em Medianeira por um ano; daí fui para Santa Helena como pároco por quatro anos, uma realidade diferente da de Medianeira; então fui convidado por dom Laurindo, com insistência, para que retornasse à Medianeira para assumir a paróquia, onde fiquei por sete anos. Quando estava mais menos tudo encaminhado, ele (dom Laurindo) pediu que assumisse, em Foz do Iguaçu, como administrador da Diocese, trabalhando com reformas e organização da parte econômica, e mais a Paróquia Anunciação do Senhor, no Bairro Jardim São Paulo (Foz do Iguaçu), onde fiquei quatro anos. Depois fiquei um período afastado e vim para Missal onde estou há mais de quatro anos.

Período positivo, pois sempre, por onde passei, encontrei pessoas boas, que colaboram, ajudam e fazem a Igreja acontecer conforme a realidade de cada lugar. Inclusive, quando ainda estava no seminário, atendia nos finais de semana a Paróquia de Ramilândia, uma realidade totalmente diferente. São 25 anos de muitos desafios, com certeza, e nestes desafios a gente vai aprendendo, crescendo, assumindo sempre mais responsabilidades, sendo que as situações vão se encaminhando da melhor forma possível, sempre seguindo a orientação pastoral da Diocese, vamos dando continuidade aos trabalhos por onde a gente passa”.


4 anos em Missal

“Aprendi muito nos quase dois anos (um ano e dez meses) como vigário paroquial junto com o padre Cláudio. Fui conhecendo as comunidades, as dificuldades e problemas que cada uma enfrentava e, como pároco, pude dar continuidade ao trabalho que vinha desenvolvendo. 

Acredito que crescemos bastante, não só eu, mas também as lideranças, as pessoas envolvidas na caminhada das pastorais e movimentos. A tendência é nós continuarmos crescendo, com a nossa responsabilidade, cada um assumindo sua missão, a sua função neste mundo, pois o padre sozinho não consegue fazer nada numa paróquia grande quanto a nossa. São 27 comunidades mais a matriz, são muitos os desafios, as dificuldades, de modo especial as distancias entre as comunidades, perde-se muito tempo no caminho, faz a celebração, atende as necessidades como sacramentos, encomendações, enterros, visitas aos doentes e, como sabemos, 10% ou mais da população de Missal é de idosos e que precisam de uma atenção especial. Temos o apoio da Pastoral dos Enfermos, uma equipe que faz visitas aos hospitais e casas, idosos e enfermos, portadores de necessidades especiais que não conseguem vir até a igreja. Também temos os enterros que atendo sempre que possível, desde que eu esteja por aqui.

Seguimos o Plano Pastoral da Diocese que nos ajuda, nos orienta como conduzir a caminhada pastoral, tendo como grande objetivo os Grupos de Família, onde estamos trabalhando a descentralização nas diaconias, formação de novos ministros que possam atender as diaconias, as necessidades dos nossos paroquianos.


Metas e objetivos 

Sobre outras metas e objetivos que padre Agostinho trabalha, inclusive seguindo as diretrizes da Diocese, agora está voltada para a Cáritas no atendimento as pessoas necessitadas. Nós, aqui na Paróquia temos a Cáritas, mas precisamos dar um enfoque maior ao atendimento as pessoas necessitadas da Paróquia. Parece que não tem tantas, mas percebemos muitas pessoas passando por dificuldades e merecem uma atenção melhor do poder público e também da igreja. Tivemos na semana passada o Feirão de Roupas Usadas, realizado pela Cáritas com apoio do Provopar Municipal, muitas pessoas visitaram, doaram roupas usadas em boas condições e até novas - trouxeram e levaram roupas, beneficiando as pessoas mais carentes. É um trabalho bonito que vamos dar continuidade e, talvez, implantado mais algumas coisas através da Cáritas.

Também fizemos, com a Cáritas, um forno para uma família que trabalho com artesanato com barro, e o forno serve para ‘queimar’ os trabalhos; também construímos uma casa no Portão Ocoí para uma família necessitada com o apoio da comunidade local.

A participação das pessoas de Missal é muito boa, em tudo que a igreja promove, realiza, somos correspondidos, como por exemplo na festa, que envolve grande número de pessoas. Temos o CPP da Matriz, e nas comunidades os conselhos de pastorais que também estão fazendo acontecer.

Essa participação também é muito boa nas celebrações, não só nas atividades. Temos bom número de catequistas, também a formação de novos ministros é boa, pois todos os anos temos mais pessoas participando.

O povo é só incentivar e estar junto que corresponde, e nós precisamos deixar o povo trabalhar, colocar seus dons a serviço, descentralizando um pouco as nossas atividades, o que é um anseio da nossa Diocese e da igreja do Paraná, pois assim estaremos criando novas lideranças.


Fonte: Portal Missal

Compartilhe:
LinkedIn whatsapp