Hospital

Morador de São Miguel é multado em R$ 10 mil por manter animais silvestres em cativeiro

Postada em: 12/01/2021 Atualizada em: 12/01/2021 20:29:00 Número de visualizações 345 visualizações
LinkedIn whatsapp
Morador de São Miguel é multado em R$ 10 mil por manter animais silvestres em cativeiro

Um morador da Linha Marfim, interior de São Miguel do Iguaçu foi multado nesta terça-feira (12), após ser flagrado com animais silvestres ameaçados de extinção em cativeiro.

Os militares do Batalhão de Polícia Ambiental (Força Verde) haviam recebido denúncia de que uma propriedade na referida comunidade estaria despejando dejetos em um córrego, colocando em risco a fauna local e consequentemente o Parque Nacional da Iguaçu, e então se deslocaram até o local e realizaram incursões ao logo do rio afim de identificar o crime ambiental.

Durante as buscas os policiais não encontraram nenhum tipo de contaminação visível, porém acabaram encontrando durante vistoria em uma propriedade rural, um chiqueiro onde estavam em cativeiro dois porcos silvestres (Pecari tajacu), comumente conhecido por cateto ou caititu, animais classificados como vulneráveis na lista de espécies ameaças de extinção, conforme decreto 7264/2010 do Estado do Paraná.

Diante das circunstâncias, segundo a Polícia Ambiental, por ter em tese praticado conduta descrita na Lei de Crimes Ambientais, o homem recebeu voz de prisão e foi encaminhado à Delegacia da Polícia Civil.

Na propriedade os militares ainda apreenderam duas espingardas, uma calibre 22 e outra de calibre 36 e diversas munições, que foram apresentadas de forma espontânea pelo morador ao ser questionado se possuía armas em casa. O material foi então apreendido e também encaminhado à Delegacia.

Os dois animais silvestres foram levados até as margens do Parque Nacional do Iguaçu e soltos para que retornassem ao seu habitat natural.

Foi lavrado auto de infração ambiental em desfavor do morador, que também foi multado em R$ 10 mil, por manter os animais em risco de extinção em cativeiro.

Fonte: Com informações do Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde

Compartilhe:
LinkedIn whatsapp