Sicredi

Partidos se unem e PSD pode se tornar o maior partido de Missal

Postada em: 06/11/2019 Atualizada em: 06/11/2019 08:49:10 Número de visualizações 2767 visualizações
LinkedIn whatsapp
Partidos se unem e PSD pode se tornar o maior partido de Missal

Reunião na segunda-feira, 4 de novembro, sacramentou a ida de PSB e PSDB, e José Alzir Nicodem, candidato a prefeito pelo PPL em 2016, ao PSD. Objetivo é atingir 1.000 filiados ativos.


Uma noite histórica para a política missalense aconteceu na noite de segunda-feira, 4 de novembro, quando foi oficializada a união de três siglas partidárias (PSD, PSB e PSDB), e liderança do ex-PPL. O resultado foi o fortalecimento do PSD, que passou a figurar entre as três maiores siglas partidárias do município e, se atingir o objetivo de ter 1.000 filiados ativos, passará a ser o maior partido em número de filiados ativos de Missal, ultrapassando o DEM e o MDB, que tradicionalmente polarizaram as eleições municipais em Missal.


União

A junção dos partidos começou a ser discutida há pelo menos quatro meses, fortalecida pela clausula de barreira que começa a valer na eleição municipal de 2020, quando não mais haverá coligação para vereador – cada partido terá que concorrer sozinho, havendo a necessidade de fazer, no mínimo, 10% dos votos válidos para eleger um vereador.

As reuniões se intensificaram em meados do mês de outubro, onde os líderes do PSD e PSB explicaram aos filiados como seria a junção e, ao mesmo tempo, os dois partidos iam definindo a união, que acabou acontecendo neste dia 04.

Os presidentes do PSD, Jeane Baum (vereadora) e do PSB, Edemar Filipin, destacaram que esta união é o resultado de muito entendimento, onde a ideia é fazer o melhor por Missal. “Somos agora um grupo político forte, formado por pessoas simples, com humildade e sem figurões políticos. Pessoas que saíram de sua comodidade política para buscar o melhor para Missal”, declara Filipin.

Outro ponto destacado foi que nesta união não houve troca de favores e nem cargos. “Ninguém se vendeu e ninguém comprou ninguém. Formamos um grupo político (hoje o PSD), que terá peso nas decisões e solicitações junto aos governos estadual e federal, com representantes ‘de peso’ nas duas esferas (estadual e federal), com deputados atuantes e, principalmente, a nível estadual temos o governador Ratinho Junior”, observa Jeane.

A vereadora também afirmou que é um orgulho receber todos no PSD. “É um momento histórico e de alegria para todos nós”, exclama.


Mais lideranças

A nível municipal, além dos filiados do PSB e PSD, líderes do ex-PSDB e ex-PPL se somam aos demais, como José Alzir Nicodem, que foi candidato a prefeito de Missal em 2016, pelo PPL. “É interessante fortalecer. O PSB, partido que tinha o maior número de filiados, abriu mão da vaidade, hoje somos todos PSD, um partido que se tornou forte e que pode trabalhar e pensar na próxima eleição municipal, pois tem muita representatividade no Estado”, destaca.

Na mesma linha, os representantes do PSDB também destacaram o fortalecimento da sigla partidária, afirmando se tratar de um grupo forte. “Estão todos de parabéns”, declararam de forma unanime.


Composição

Nas conversas preliminares também foi ajustada a questão da direção do ‘novo’ PSD, sendo que a direção (Comissão Provisória), terá três membros do PSD, três do ex-PSB e mais José Alzir Nicodem.

Os outros seis nomes serão definidos nos próximos dias, porém já ficou acordado que Jeane Baum continua como presidente do PSD de Missal. 


Fonte: Portal Missal

Compartilhe:
LinkedIn whatsapp