Sicredi

Mais de 70h sem energia: copel descaso com consumidores do interior de Missal

Postada em: 03/11/2019 Atualizada em: 03/11/2019 20:39:41 Número de visualizações 3763 visualizações
LinkedIn whatsapp
Mais de 70h sem energia: copel descaso com consumidores do interior de Missal

Consumidores da comunidade de São Sebastião, interior do município de Missal, depois de quase três dias sem energia elétrica e acumulando prejuízos, entraram em contato com nossa reportagem informando o descaso da Copel.

Nossa equipe esteve em três propriedades rurais, por volta das 14 horas de hoje, dia 3, sendo que dois produtores de leite, que além de tirarem o leite ‘a mão’, tiveram que jogar fora em torno de 350 litros cada dia, ressaltando que as vacas estão habituadas a ordenhadeiras, o que dificulta ainda mais a tirada do leite. “Nós já temos vacas com mastite em função disso”, conta Teresa Friedrich.

Jovani Fabris, que tem uma produção diária de em torno de 280 litros de leite destaca que “este é o nosso trabalho, nossa principal renda, que por conta do descaso da Copel é prejuízo certo. E esta situação ocorre frequentemente, infelizmente para nós não é novidade”.

Ele ressalta que ligou para a Copel no dia 31 de outubro, logo após o temporal (por volta das 17 horas). “Veio uma equipe (da Copel), porém como era um fio (cabo) arrebentado, disseram que não era com eles, mas de uma outra empresa (uma terceirizada). Liguei novamente na sexta e no sábado. E nada até agora (14 horas de hoje, dia 03). Hoje nem liguei mais”, afirmou Jovane, desolado com a situação de descaso.

Além deste prejuízo, há também a falta de água, que tem que ser retirada de açudes ou arroios e ou de vizinhos, e levada com galões para poder suprir a sede dos animais - vacas, suínos, aves. 


Mais prejuízos

Além da questão da tirada do leite e a perda do produto, os moradores também contabilizam prejuízos com produtos alimentícios, pois tudo que está em freezer ou geladeira, teve que ser levado para casas de outras pessoas para que não se perdesse tudo.

Somado a isso, a falta de comunicação e a questão de higiene pessoal. “Estão zombando de nós”, afirmam os moradores.


Situação também grave

Fomos até a casa de dona Maria Amélia, 70 anos, e a encontramos com seu neto, chegando a residência com um balde de água, que pegou em uma mina a céu aberto a mais de 50 metros de casa.

Ela nos mostrou a geladeira, e comentou sobre a necessidade de tomar insulina. “Tenho que aplicar insulina diariamente, aquela ‘de caneta’, e que guardo na geladeira. Agora, todos estes dias sem luz, tenho que buscar gelo na casa dos vizinhos (a pé por mais de três quilômetros). Que fazer, tenho que tomar a insulina e ela precisa estar ‘fria’, senão ‘estraga’, lamenta.


Solução

Mesmo sem entender de instalação de redes de energia elétrica, os moradores tem a solução para o problema: trocar a rede de local, pois a atual passa por uma pequena mata e um reflorestamento, sendo que quase a totalidade das vezes que o cabo arrebenta é num destes locais, com apenas alguns metros a mais de cabos a rede poderia estar em local ‘limpo’. Isso até já foi sugerido, porém até agora nada.

Nossa reportagem esteve no local e constatamos que, sem procurar muito, apenas onde o cabo está no chão, encontramos três emendas (agora será a quarta), em 50 metros ou menos.

Outra solução seria a derrubada das árvores que praticamente encostam no cabo de energia – isso quando não tem nenhum vento.


O outro lado

Solicitamos a Assessoria de Imprensa da Copel informações sobre o fato, porém até o momento da postagem da matéria não havíamos recebido retorno.

Assim que nos for enviada, estaremos publicando a nota da Copel.


Compartilhe:
LinkedIn whatsapp